Geração Distribuída

Análise Tarifária: uma alternativa para economizar na sua fatura de energia

keyphase análise tarifária

Você sabia que pode economizar na sua conta de luz, sem precisar reduzir seu consumo? Nessa matéria, trazemos uma breve descrição da análise tarifária e como você pode economizar com ela.

 

O QUE É A ANÁLISE TARIFÁRIA?

O consumo de energia elétrica depende de diversos fatores que podem ou não ser previsíveis e periódicos. Uma vez que os valores adotados não conseguem reduzir as incerteza a zero, não há como garantir que o contrato firmado com a concessionária manterá, efetivamente, o menor dispêndio. 

Por isso, é importante realizar um acompanhamento do consumo elétrico do seu estabelecimento. E, se houver mudanças ou discordâncias em relação aos parâmetro determinados em contrato, você pode solicitar uma análise tarifária para que possíveis correções sejam providenciada. Isso é possibilitado visto que a ANEEL permite revisões anuais do contrato com a concessionária.

Assim, a análise tarifária visa estabelecer o contrato com as estruturas tarifárias que vão se adequar melhor à realidade do consumidor e promover a maior economia.

 

ENTENDENDO A ESTRUTURAÇÃO DAS TARIFAS DE ENERGIA ELÉTRICA

A estrutura tarifária é o conjunto de tarifas no qual o consumidor é enquadrado. Dessa forma, é caracterizado de acordo com o nível de tensão de seu fornecimento e suas características de consumo de energia elétrica e de demanda de potência ativa.

Para entender a sua conta de energia e como é feita a análise tarifária, é relevante que você conheça alguns conceitos relacionados à tarifação do sistema elétrico brasileiro e o que compreende essa estrutura.


Conceitos

Demanda: é a potência elétrica solicitada à distribuidora que se embasa no somatório das cargas operantes naquele local em um intervalo de tempo. É expressa em quilowatts (kW).

Consumo: é a parcela correspondente à energia elétrica que será convertida em outra forma de energia nos equipamentos. É expresso em quilowatts-hora (kWh).  

Postos tarifários: fracionam o dia em períodos e definem tarifas para cada um deles, de forma diferenciada, dependendo do perfil de consumo de energia elétrica da região.

  • Horário de Ponta: período de três horas consecutivas, com exceção dos sábados, domingos e feriados nacionais. Esse horário representa o maior consumo, popularmente conhecido como horário de pico. Portanto, possui a tarifa mais elevada.
  • Horário Intermediário: período correspondente às horas imediatamente anterior e imediatamente posterior ao horário de ponta.
  • Horário Fora de Ponta: período composto pelas demais 19 horas complementares.


Elementos da estrutura tarifária

 A concessionária de energia pode atender uma unidade consumidora em diferentes tensões, que dependerão do porte da carga e da característica da região em que se encontra. A seguir, estão indicados os dois grupos definidos segundo sua tensão de fornecimento.

Grupo A: consumidores de média e alta tensão (superior a 2,3 kV)
  • Modalidade Tarifária Horo-sazonal Azul: são aplicadas tarifas de demanda de potência (kW) e de consumo de energia (kWh) que variam com o período de utilização do dia.
  • Modalidade Tarifária Horo-sazonal Verde: são aplicadas tarifas de consumo (kWh) que variam com as horas de uso do dia, além de uma tarifa única de demanda (kW).
Grupo B: consumidores de baixa tensão (inferior a 2,3 kV)
  • Modalidade Tarifária Convencional: são aplicadas tarifas sobre a demanda (kW) e o consumo (kWh), independente das horas de utilização do dia.
  • Modalidade Tarifária Branca: são aplicadas tarifas de demanda (kW) e de consumo (kWh) que variam ao longo do dia. A partir do dia 1º de janeiro de 2020, a tarifa branca se tornou uma opção para todas as unidades consumidoras do grupo B, com exceção de consumidores residenciais classificados como baixa renda, beneficiários de descontos previstos em Lei, e à iluminação pública.

COMO ECONOMIZAR COM A ANÁLISE TARIFÁRIA?

tarifária
Primeiramente, é preciso analisar o histórico de faturas dos últimos 12 meses, sendo 24 meses o preferível. Assim, posteriormente, identifica se o seu contrato com a concessionária é o mais adequado. Apresentamos abaixo alguns critérios de averiguação para os respectivos grupos.

Contratos no grupo A

Para certificar-se de que o contrato está adequado, ele deve atender três critérios, sendo eles: demanda contratada adequada, inexistência de cobrança da energia reativa e enquadramento tarifário adequado. 

  • Demanda Contratada adequada: deve ser o mais próximo possível da necessidade do consumidor, na tentativa de reduzir a zero os desperdícios e ultrapassagens. À vista disso, caso o limite estipulado seja excedido, será cobrada uma multa de ultrapassagem de demanda.

  • Inexistência de cobrança da energia reativa: quando cobrada, aponta um problema de fator de potência das instalações inferior a 0,92. O fator de potência demonstra a qualidade de utilização da energia. Ou seja, se for baixo indica que houve uma demanda elevada desnecessária em um curto período de tempo.

  • Enquadramento tarifário adequado: ocorre quando o estabelecimento tem contratada a modalidade tarifária que apresenta melhor custo benefício. 

Contratos no grupo B

A tarifa branca é uma nova modalidade tarifária que realiza a cobrança em função do horário de uso da energia para as unidades consumidoras de baixa tensão. Dessa forma, se o consumidor optar por adotar hábitos de consumo de energia fora do horário de ponta, o valor de sua fatura apresentará redução.

Em ambos os grupos, se for verificado algum tipo de desconformidade, é importante, também, investigar se aconteceram ou estão para ocorrer eventos como obra, desativação ou instalação de equipamentos, desocupação, manutenção, entre outros. Esses dados refletem diretamente no seu perfil de consumação e são necessários para decidir qual a nova demanda a ser contratada.


Assim sendo, a IPRO Jr faz um estudo do histórico das faturas do cliente, avaliando a compatibilidade com o atual contrato de energia e propondo as soluções mais adequadas para cada caso.

Agora que você sabe da importância de uma análise tarifária, ficou interessado em entender o seu caso?  Entre em contato com um de nossos consultores e marque uma reunião diagnóstica.

Autora: Thais Harumi

https://www.aneel.gov.br/sala-de-imprensa-exibicao/-/asset_publisher/XGPXSqdMFHrE/content/tarifa-branca-e-opcao-para-consumidores-em-2020/656877?inheritRedirect=false

https://www.aneel.gov.br/tarifas-consumidores/-/asset_publisher/zNaRBjCLDgbE/content/modalidade/654800

http://www2.aneel.gov.br/cedoc/bren2010414.pdf

https://www.comprasgovernamentais.gov.br/images/delog/files/cartilha_energia_web2110.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *